sexta-feira, 30 de março de 2018

Presente

Presente

Tua ausência abrupta
A forma como tua vida foi ceifada
O sangue inocente que jorrou
E inundou o país
Transbordou pelo mundo
Fazem de ti símbolo de um povo.

Tua luta, tua lida
Teu suor, teu sacrifício
Marcaram o mapa
E ecoaram no universo

Do Rio pra Eternidade
Eternizada em muros
Discursos, lágrimas
Trabalho, corações.

Que peguem e prendam
O(s) algoz(es)
Que agora gozam
Liberdade.

Que tua alma ganhe asas
Que tua memória ganhe terreno
Que teu discurso ganhe voz
Que teu legado receba justiça.

Marielle vive
Marielle grite
Marielle lute
Marielle, presente!

Fonte: Google Imagens

"Como é difícil acordar calado, se na calada da noite eu me dano. Quero lançar um grito desumano, que é uma maneira de ser escutado. Esse silêncio todo me atordoa, e atordoado eu permaneço atento.  Na arquibancada pra a qualquer momento, ver emergir o monstro da lagoa."

--------------------------------------

Eu deixei passar os primeiros dias para poder postar a minha homenagem, tão singela. Seria hipocrisia falar que conhecia o seu trabalho. Eu conhecia o seu nome, por sempre pesquisar por mulheres na política.

A ferocidade com que a atacaram após a sua morte, é quase tão horripilante quanto a matar. Quem aperta o botão que propaga as notícias falsas, é tão sem escrúpulos quanto quem apertou o gatilho.

Não nos calemos, não abaixemos a nossa cabeça; Não vamos fingir que nada aconteceu, e Anderson e Marielle não terão partido em vão.


sábado, 27 de janeiro de 2018

Na hora mais escura

Na hora mais escura
Quando a pálida lua
É só uma mancha no céu,
O breu envolve meu corpo
O frio abraça minha alma
E minha lágrima fecunda o medo.
A angústia corre em segredo
Pelas minhas veias
No lugar do sangue.

Na hora mais escura
Quando o baixo ssussuro
Vira grito desesperado,
Eu fecho os olhos e tapo os ouvidos
E passo a ouvir meus brados internos Agudos e intensos.
Com a sufocante sensação
De dor e abafamento
Parecido com morrer afogado.

Na hora mais escura
As preces são mais fervorosas
A fé é muralha de ferro,
O medo é um abutre faminto
Que acompanha de perto
E se alimenta de sofrimento.
As incertezas são banhadas
Pelas lágrimas fria
De mais um alvorescer.



"Minha laranjeira verde, por que está tão prateada? Foi da lua dessa noite, do sereno da madrugada. Tenho um sorriso bobo, parecido com soluço, enquanto o caos segue em frente, com toda a calma do mundo."