domingo, 8 de dezembro de 2013

Escuridão

Escuridão

Abro os olhos e não vejo nada
Tento respirar e o ar não vem
Apuro os ouvidos e só há silêncio
O nada, o vazio, o escuro.
Reconheço este lugar
Já estive aqui antes
Como foi que vim parar aqui?
Mais uma vez, de novo
Inspiro com força e sinto uma dor terrível
Dentro de mim, bem no fundo
Sinto algo se quebrar, estraçalhar
Sou eu, em pedaços, caindo no chão
Insegurança, desconfiança
MEDO.
MEDO.
MEDO.
MEDO.
Travo batalhas homéricas em minha mente
O coração para
Cansado de bater e de apanhar
Tento me levantar e sinto que estou presa
Amarrada, atada à mim
Luto em vão, me machuco mais
Cordas bem presas, exímio laçador
Já não há mais lágrima, 
Já não há mais palavra
Já não há mais espaço
E não há outra saída senão
Cessar.



"Blurring and stirring the truth and the lies, so I don't know what's real and what's not. Always confusing the thoughts in my head, So I can't trust myself anymore."

Nenhum comentário:

Postar um comentário