domingo, 2 de outubro de 2011

Libertá

Oioi gente? Tudo bem?
Quase um ano depois, eu estou de volta!
Este post não será um post comum, é uma parceria. Bom, estou trabalhando com um fotógrafo Ó-T-I-M-O que expressa os seus sentimentos através de auto retratos conceituais. Fizemos o seguinte trato: dei um poema meu pro Fê e ele fará uma foto inspirada nesse poema. Ele me deu uma foto e eu farei um poema inspirado na foto Libertá. Vamos lá

Libertá


Minha culpa é minha estrada
Mas julgo-me inocente
Não há crime quando quem manda é o amor.
Amar foi o meu erro
Amar só, a minha sina.
A consciência pesa e condena
Mas o coração liberta
Sentimento corre solto, alado
O corpo pena, pesado.
Escondo-me entre as sombras
Refugio-me entre as sobras.
Quero ser livre
Livre de preconceitos
Livre de estigmas e dores.
Mas não é possível neste mundo
Adianto os passos e avanço o relógio
Mãos unidas, oração;
No pescoço a corda, no rosto a lágrima
Liberdade, liberdade,
Num pulo, alcanço-te.
Liberdade, liberdade,
Fecha tuas asas, é hora de partir.


"Dissestes que se tua voz tivesse força igual a imensa dor que sentes, teu grito acordaria não só a tua casa, mas a vizinhança inteira."


Para conhecer o trabalho do Fê, clique aqui e acesse o tumblr.


Um comentário: